Laboratório Pop

Berlim: Urso de Ouro vai para a China

15 fev 2014 / Sem comentários / em Cinema / por

Myrna Silveira Brandão

Berlim

Numa cerimônia de gala, realizada hoje (15.02), Dieter Kosslick, diretor do Festival de Berlim, deu início à premiação da 64ª edição, que foi marcada por muitas surpresas.

Black Coal, Thin Ice, de Y’i nan Diao, foi o grande vencedor do Urso de Ouro. O filme é um thriller noir sobre assassinatos ocorridos numa cidade do norte da China, que remete aos clássicos filmes de detetive.

Diao subiu ao palco, agradeceu à toda a equipe do filme, ao júri e à Berlinale.

“Foi um time fantástico. É difícil acreditar que este sonho aconteceu”, declarou.

O filme também levou o prêmio de melhor ator para o chinês Liao Fan, que agradeceu ao diretor e a todos que investiram no filme.

The Grand Budapest Hotel, de Wes Anderson ganhou o Grande Prêmio do Júri, segundo mais importante do festival.

O prêmio foi recebido por Kosslick. Anderson não pode vir à premiação, mas enviou um bilhete agradecendo e brincando que era a primeira vez que recebia um prêmio de prata.

O prêmio de melhor diretor para Richard Linklater foi recebido com muitos aplausos. Seu filme, Boyhood – uma saga que acompanha a infância e o crescimento de um garoto por 12 anos – era inclusive um dos favoritos ao Urso de Ouro..

“Recebo este prêmio em nome das 400 pessoas que trabalharam no filme ao longo dos anos, especialmente a Patrícia Arquette, Ellar Coltrane, Lorelei Linklater (filha do diretor) e Ethan Hawke, que está sempre comigo, mas desta vez não pode vir”, disse Linklater, que em 1995 ganhou o Urso de Prata de melhor diretor com Antes do Amanhecer.

O prêmio de melhor atriz foi para a japonesa Haru Kuroki no filme The Little House, de Yoji Yamada.

Com agradecimentos emocionados para Yamada, Kuroki declarou.

“Eu não esperava, lamento não saber algo em alemão para dizer a vocês”.

A nota de destaque da premiação foi, sem dúvida o prêmio Alfred Bauer. O troféu por trabalho inovador e que abre novas perspectivas foi dado para Life of Riley, do veterano diretor francês Alain Resnais.

“O teor desse prêmio é a perfeita definição do trabalho de um diretor de 92 anos, que ainda nos presenteia com obras desse tipo”, disse o produtor.

Life of Riley também ganhou o prêmio da crítica internacional (FIPRESCI).

O prêmio de melhor roteiro foi para o alemão Stations of the Cross, de Dietrich Bruggemann.

O brasileiro Hoje eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro, ganhou o prêmio da crítica internacional (FIPRESCI), da Mostra Panorama. O filme também conquistou o Teddy Bear, concedido para o melhor filme com temática homossexual.

Numa declaração ao Laboratório Pop, Ribeiro disse esperar que os prêmios ajudem no lançamento do filme no Brasil.

“Fico muito feliz de ver a atenção que o júri do festival está dando para os filmes com temática gay”, complementou o diretor, bastante emocionado, com a dupla vitória.

VENCEDORES DOS PRINCIPAIS PRÊMIOS

Urso de Ouro: Black Coal, Thin Ice, de Y’i nan Diao

Urso de Prata – grande premio do júri: The Grand Budapest Hotel, de Wes Anderson

Urso de Prata – melhor diretor: Richard Linklater por Boyhood

Urso de Prata – melhor ator: Liao Fan em Black Coal, Thin Ice, de Y’i nan Diao

Urso de Prata – melhor atriz: Haru Kuroki em The Little House, de Yoji Yamada

Premio da Critica Internacional para a mostra oficial– Fipresci: Life of Riley, de Alain Resnais

Prêmio da Crítica Internacional para a mostra Panorama: Hoje eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro

Premio Alfred Bauer – trabalho inovador (uma homenagem ao fundador da Berlinale): Life of Riley, de Alain Resnais

Premio Teddy Bear – filme de temática homossexual: Hoje eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro

Prêmio de Audiência da Panorama: Difret, de Zeresenay Berhane Mehari (Etiópia)

Segundo lugar Prêmio de Audiência da Panorama: Hoje eu Quero Voltar Sozinho, de Daniel Ribeiro

 A realidade nas telas

A 64ª Berlinale manteve o viés social e político que caracteriza sua seleção, com muitos temas ligados ao mundo atual. Para falar disso, a ênfase foi nos jovens, irmãos, família, relacionamentos, crises. O tempo também foi um personagem – a começar pelo filme de Resnais, do Anderson e que teve seu ápice com Boyhood, do Linklater.

Com 330.000 tickets vendidos, a organização informou que foi batido um novo recorde na história do festival.

Exultante com os resultados, Kosslick lembrou que nos últimos 10 dias, a Berlinale apresentou, para o mundo, a diversidade e o poder criativo do cinema.

O Brasil teve uma ótima participação nesta edição: concorreu ao Urso de Ouro na mostra oficial e teve significativa presença nas paralelas, sempre com casa cheia.

E ainda saiu premiado com o Teddy Bear e o troféu da crítica internacional para Hoje eu Quero Ficar Sozinho, de Daniel Ribeiro – que conquistou também o segundo lugar de audiência da mostra.

Não deixe de comentar!

Útimas de Cinema

Útimos posts