Laboratório Pop

Cédric Kahn almeja o Céu… e o sucesso como diretor

8 jan 2019 / Sem comentários / em Cinema

Cédric Kahn dá instruções a Anthony Bajon nos sets de “A Prece”, filme que deu ao jovem ator o Urso de Prata na Berlinale 2018

Rodrigo Fonseca


Festa anual do cinema francês em Paris, o Rendez-vous Avec Unifrance, agendado de 17 a 21 de janeiro, vai abrir espaço para a metafísica religiosa ao emprestar seus holofotes a um ator que vem crescendo esteticamente, filme a filme, também como diretor: Cédric Kahn. Ele vai estar lá, entre 100 artistas de seu país, com o polêmico “A prece”. Ímã de controvérsias por onde passa, com seu olhar crítico sobre o papel sociabilização das religiões, La prière” (no original) é comparado a um clássico moderno – “Os Incompreendidos” (1959), de François Truffaut – em seu olhar sobre a juventude, referendado por uma série de elogios no Festival de Berlim. Saiu de lá com o prêmio de Melhor Ator para Anthony Bajon, de 24 anos, cuja comovente atuação como um delinquente juvenil assolado pelas drogas comoveu a capital alemã. Mais recente experiência de Kahn (de “A economia do amor”) na direção de longas-metragens, este drama sobre redenção abriu debates quentes sobre a representação da Fé na 42ª Mostra de São Paulo e no Festival do Rio. Kahn anda fazendo sucesso ainda como coadjuvante no magistral “Cold War”.

“Nosso empenho durante o processo de filmagem era conseguir que esta história sobre a luta de alguém que quer se desintoxicar possa tocar as pessoas de maneira universal, ao mostrar o descontrole das emoções”, disse Bajon ao Laboratório Pop em Berlim, em fevereiro.

Respeitado como cineasta por longas como “A vida vai melhorar (2011), Khan surpreendeu a crítica com a maturidade com que dirige “A prece”. “A proposta aqui não é julgar a Igreja, nem elogiar a dimensão redentora que um grupo religioso pode ter para alguém que está sofrendo. Meu foco se divide entre a autodescoberta e a solidão. É um filme sobre o calvário de sair de um inferno aberto por escolhas erradas”, disse o cineasta francês, que só no fim de semana de estreia de seu longa na França arrebatou 86 mil pagantes.

Em “A prece”, Kahn acompanha a perseverança de um grupo jovem da Igreja Católica, que tem na freira Myriam (a veterana cantora e atriz alemã Hannah Schygulla) uma referência de fé, para se livrar da tentação das drogas e do álcool. Muitos foram parar ali para se salvarem do vício, como é o caso do dependente químico Thomas (Anthony Bajon), agressivo diante da Palavra de Deus. De cara, o filme parece querer investigar o papel do Catolicismo e da liturgia de Cristo na recuperação de adolescentes. Mas, com poucos minutos, o cineasta deixa claro que a religião é só um detalhe no arranjo narrativo seco que criou, lembrando o legado de Truffaut.
“Nos sets, Anthony realmente lembrava o personagem de Truffaut em ‘Os incompreendidos’, Antoine Doinel, que era o alter ego dele”, disse Kahn ao JB. “Mas não fiz uma releitura muito consciente do que aprendi vendo Truffaut. A questão era simplicidade: olhar o realismo sem feri-lo com muitos adereços fabulares. Esse era o caminho para levar às telas o sacrifício da fé”.
Ainda o Rendez-vous Avec Le Cinéma Français da Unifrance vai ter uma projeção de gala da comédia “Qu’est-ce qu’on a encore fait au bon Dieu?”, de Philippe de Chauveron, continuação do fenômeno popular “Que mal eu fiz a Deus?” (2014). Vai ter também um prêmio de honra ao mérito para a dupla Olivier Nakache e Éric Toledano, de “Intocáveis” (2011), um ímã de pagantes, com 20 milhões de ingressos vendidos. Entre os convidados já acertados estão Claire Denis, apresentando a sci-fi freudiana “High life”; o animador Michel Ocelot, com “Dilili à Paris”; o tunisiano Abdellatif Kechiche, que faz uma crônica da juventude do Mediterrâneo dos anos 1990 com o drama “Mektoub, my love – Canto Uno”; e Vincent Cassel, brincando de anti-herói no papel do fora da lei Vidocq, em “L’Empereur de Paris”, superprodução que somou 500 mil espectadores em duas semanas, ao ser lançado, em Paris, no fim de dezembro.

Não deixe de comentar!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Útimas de Cinema

Útimos posts