Laboratório Pop

Gus Van Sant comove corações

4 nov 2018 / Sem comentários / em Festival do Rio 2018 / por

Pedida deste domingo no Festival do Rio 2018 (1 a 11 de novembro): “A pé ele não vai longe”, de Gus Van Sant, com sessão às 21h, no Reserva Cultural. O aclamado realizador de “Elefante” (2003) está há quase dez anos distante das narrativas experimentais que lhe garantiram a Palma de Ouro de Cannes, fazendo dele um renovador de linguagem. Sua fase atual tangencia o melodrama. Seu novo trabalho, indicado ao Urso de Ouro de Berlim, recria a trajetória de John Callahan (1951-2010), alcoólatra que, após ficar paraplégico em um acidente de trânsito, virou um cartunista classe AA no quadrinho mundial. Joaquin Phoenix brilha no papel de Callahan. Tem mais uma dose na quarta, às 21h30, no Odeon.
“Eu devo este filme a Robin Williams, pessoa querida a quem eu dirigi em ‘Gênio Indomável’. Ele comprou os direitos dos cartuns de Callahan ainda nos anos 1990, sonhando em fazer uma cinebiografia do desenhista. Robin era amigo do ator Christopher Reeve, o Super-Homem dos anos 1970, e sonhava dar a ele o papel de Callahan. Era uma época em que Reeve (morto em 2004) estava numa cadeira de rodas e Robin queria que eu ajudasse ele a produzir esse projeto que nunca chegamos a tirar do papel”, lembrou Gus Van Sant, em entrevista ao Laboratório Pop durante o Festival e Berlim, onde o longa disputou o Urso de Ouro, saindo de lá ovacionado. “O tempo foi passando, compromissos distintos foram nos separando, e, uma hora, soube da notícia e que Williams havia morrido. Anos antes de Robin partir, Reeve também se foi. Não fazia mas sentido tocar aquela ideia. Mas, há pouco tempo, saindo do filme ‘The Sea of Trees’, sobre purgação, essa história voltou à minha mão. E eu queria muito um bom enredo para filmar com Joaquin Phoenix de novo. Era o momento de voltar a Callahan”.

Bem diferente das narrativas experimentais mais radicais do diretor, como “Paranoid Park” (2007) ou “Elefante” (2003), pelo qual ele ganhou a Palma de Ouro em Cannes, “Don’t worry, He won’t get far on foot é um dramalhão sobre perseverança, com pinta de autoajuda, de empapar lenços a choro, talhado a disputar indicações ao Oscar. Vai da tragédia à fofura sem perder o rebolado do encanto, sobretudo pelo empenho de Joaquin Phoenix ao reviver os dias de luta de John Callahan após um acidente que tira os movimentos de suas pernas. “Todos os fantasmas ali passam pelo alcoolismo”, disse o ator, que trabalhou a partir do livro homônimo de Callahan, com cartuns e memórias pessoais.

Não deixe de comentar!

Útimas de Festival do Rio 2018

Útimos posts