Laboratório Pop

NYFF: Pedro Costa choca com “Cavalo dinheiro”

24 set 2014 / 2 comentários / em Cinema / por

get

“Cavalo dinheiro”, de Pedro Costa impactou a plateia das  sessões de imprensa da 52ª edição do Festival de Nova York.

Como já tinha acontecido no Festival de Locarno – onde Costa ganhou o prêmio de melhor diretor – o  filme também aqui despertou reações opostas.  Enquanto muitos ficaram até o final em respeitoso silêncio, alguns deixaram a sala no meio da projeção.

No filme, a Revolução dos Cravos é  o ponto central  de uma fantasmagórica história onde as coisas não seguem uma narrativa convencional.

Sua origem tem início em 1994, quando o diretor foi a Cabo Verde rodar um filme (“Casa de lava”). Voltou com cartas de pessoas que conheceu lá para entregá-las a  imigrantes cabo-verdianos que habitavam a vizinhança (hoje demolida) de Fontainhas, uma favela de Lisboa.

Após esse fato, decidiu filmar o que chamou  de “Trilogia das Fontainhas” composta de:  “Ossos” (1997), “No quarto da Vanda” (2000) e “Juventude em marcha” (2006).  Neste último,  que fecha a trilogia, o protagonista é Ventura, um  imigrante cabo-verdiano, que está presente também em “Cavalo dinheiro” e, anteriormente, já esteve em outros curtas-metragens do diretor.

Numa espécie de “descida aos infernos”, são 103 minutos de uma viagem sem regresso no trem-fantasma de um Portugal assolado pela guerra colonial, pela revolução e pela descolonização, com Ventura como uma espécie de Orfeu em busca de uma Eurídice inexistente e perseguido pelas assombrações do seu passado.

O diretor trabalha com uma equipe mínima e vai  pacientemente construindo uma linguagem cinematográfica única junto com homens e mulheres de quem ficou amigo.

Costa diz  que “Cavalo dinheiro” é um filme nascido de histórias e conversas e que foi muito sofrido fazê-lo.

“Como nas colaborações anteriores com Ventura, muito do que está no filme foi dito por ele. Somos quase da mesma idade e estávamos no mesmo lugar quando ocorreu a Revolução dos Cravos. Eu tinha 13 anos e acho que tive muita sorte em ser um rapaz novo na época, quando  descobri a música, a arte, a política…”, conta o diretor, ressalvando que não teve intenção de preservar essa memória.

“Ao longo da nossa amizade de 20 anos o Ventura tem-me contado histórias do que ele chama a sua prisão.  Ele está muito doente, e tenta lembrar-se delas, mas talvez isso não seja uma boa coisa. Outras pessoas fazem filmes para recordar, mas este não, penso que é um filme para esquecer”, ressalta, dizendo que filmar “Cavalo dinheiro” foi muito difícil.
“O que há para dizer está nas telas e não foi fácil dizê-las.  Foi  devastador fazer ‘Cavalo dinheiro’”, reitera.

As afirmações surgidas que “Cavalo dinheiro” tem algo de expressionista ou alguma coisa de Murnau, são contestadas pelo diretor.

“O tempo é pouco para pensar nas coisas dessa maneira. Mas se essas referências estão visíveis, é porque são algo que estão dentro de mim, sempre estiveram e sempre estarão”, diz, acrescentando que o filme carrega semelhanças com outros trabalhos que já fez.

“Não houve especial diferença de método nem de abordagem entre este e os filmes anteriores”,explica o diretor de estilo único e  inegavelmente um dos mais extraordinários criadores de imagens do cinema moderno.

2 comentários:

  1. Manoj disse:

    adoro essa rae7a, mais tambem nao dnecersmeido as outras , mais a pantaneira tudo e diferente a pelagem, a docilidade , rusticidade , e amorfologia. o haras santa rita pra min e um dos mais importantes haras da rae7a , voceis trabalhao com muito bom gosto com os animais parabens pelo trabalho e comtinuem cendo um haras de ezemplo

  2. Sarafine disse:

    Wow, that was entertaining to read. PAINFUL movie, bafiflng to watch. I would not place all the blame on Tomlin and Travolta, though I think all of the blame (or, at least 90% of it) must go to the woman who wrote and directed it. God, it was such a strange experience watching it. It’s hard to describe what it feels like to watch NOTHING.Especially with two actors I love. It’s horrifying!

Não deixe de comentar!

Útimas de Cinema

Útimos posts