Laboratório Pop

Festival do Rio aposta no universo pornô em cult francês

3 nov 2018 / Sem comentários / em Cinema / por

Tem 200 filmes de 60 nações no Festival do Rio 2018, mas a iguaria mais saborosa até agora veio do Brasil: Chacrinha – O Velho Guerreiro, de Andrucha Waddington, que, esta noite, pode perder seu posto de iguaria mais saborosa da maratona cinéfila carioca para uma produção de CEP francês. Seu maior concorrente é Faca no coração, de Yann Gonzalez: tem sessão dele neste sábado no Estação NET Botafogo, 23h59. Veio lá da Croisette cercado de controvérsia. Muitos dos 21 concorrentes à Palma de Ouro de 2018 desapontaram crítica e público, a começar do filme de abertura, “Todos Lo Saben”, mas poucas sessões, mesmo a dos longas-metragens mais ousados, tiveram rejeição similar a que “Un Couteau Dans Le Coeur” recebeu, com direito a debandada e vaias. Chamada de “Knife + Heart” em inglês, a produção francesa, sobre a cena pornô gay da Paris dos anos 1970, caiu na antipatia do povo por soar sensacionalista e pedante, ao embarcar em uma elucubração filosófica sobre o desejo. Apesar disso e das vaias, o longa-metragem dirigido por Yann Gonzalez preserva uma potência narrativa ímpar. Entre os sites e jornais europeus orientados por temáticas homoafetivas, o trabalho de Yann – explícito, mas ainda assim emotivo – foi aclamado por desafiar tabus e celebrar uma ala da cultura cinematográfica sempre tratada de modo caricata: a seara pornográfica.

Na trama, Vanessa Paradis (uma cantora famosa, com sazonal experiência como atriz) vive uma produtora de filmes adultos de meninos com meninos. Ela anda em crise pelo alcoolismo e pelo término de seu romance com a montadora de seus longas (Kate Moran). Em meio aos conflitos internos, ela descobre que um assassino mascarado está matando seus atores e seus amigos. O clima dessa história evoca cults de Brian De Palma (“Vestida Para Matar”, sobretudo) e de Dario Argento (“Suspiria”).

Ainda neste sábado, o Festival do Rio recebe uma pérola dos Hermanos mericanos: Museu, de Alonso Ruizpalacios. Sua sessão é hoje no Estação NET Ipanema 2, às 21h. Este thriller com Gael García Bernal sobre um lendário roubo de obras de arte ameríndias, deixou o festival alemão de queixo caído com seu ritmo frenético e sua estrutura de dramaturgia avessa às cartilhas de filmes de assalto. Além de trazer a melhor interpretação do galã desde seu trabalho como Che Guevara em “Diários de Motocicleta” (2004), o longa-metragem surpreende pelo teor de excentricidade com que pinta o vazio existencial da jovem classe média mexicana dos anos 1980, quando se passa a trama. Há até uma divertida menção a “Chaves”, numa cena em que Gael usa uma camiseta com a cara do mais ilustre inquilino do Sr. Barriga para embrulhar um artefato raro. Saiu da Berlinale laureado com um merecidíssimo prêmio de melhor roteiro.

Não deixe de comentar!

Útimas de Cinema

Útimos posts